sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

CONCEPTUALISMO-SIMBÓLICO

A consciência não é mais que os olhos que nos olham ao espelho.

Ao optar pela criação da própria imagem – o processo criativo é aqui agora levado aos seus primórdios – a intenção é criar a forma num determinado espaço (anteriormente a forma já existia e a “meta pintura” apenas lhe dava um novo sentido plástico), o autor opta pela forma humana e pela sua integração num determinado universo.
As formas, as figuras, mais do que expressar um estado de espírito ou sentimento perante o mundo, exprimem uma filosofia de vida... A vida do artista projecta-se sobre a sua obra de uma forma avassaladora, alcançando domínios de algum expressionismo.

SIMBOLIC CONCEPTUALISM

Consciousness is nothing more than the eyes that look at us in the mirror.

In opting for the creation of one's own image - the creative process is now brought to its very beginnings - the intention is to create form in a certain space (previously the form already existed and the "meta-painting" only gave it a new plastic sense), the Author chooses the human form and its integration into a given universe.
The forms, the figures, rather than expressing a state of mind or feeling before the world, express a philosophy of life ... The artist's life is projected on his work in an overwhelming way, reaching domains of some expressionism.
 
Alfarrabista de Stephen Zweig, 1988
Are You WAyting, Mr Byrn?, 1989
Dançarino c/ Guarda Chuva, 1988
Sam Shepard imitando o Discóbulo, 1988
 

Sem comentários:

Enviar um comentário