domingo, 19 de fevereiro de 2017

UTERINIDADES

Inicialmente a pintura mostrava uma relação entre o representado e o representador (estados de alma) no qual o próprio autor se ocultava por detrás do conceito e do símbolo, com a ideia e a perspectiva abstractizante, o autor separa-se nitidamente do observador e da própria obra. A uterinidade não é mais que o mostrar do morfológico existente no interior do homem e as suas potencialidades geradoras, potencialidades que se projectam para lá e além do próprio homem; isto é, sobre a natureza e a sua génese e nomeadamente, sobre as suas próprias transformações (metamorfoses) iniciais (mesmo antes do surgir das espécies) do planeta.
(Cit in Sonho de uma Obra, livro II, pág. 22, Abril 1991)

Initially the painting showed a relation between the represented and the representant (states of soul) in which the author himself was chosen behind the concept and the symbol, with the idea and the abstracting perspective, the author separates nidentiously from the observer and the own work. Uterineity is nothing more than the showing of the morphological existing within man and his generating potentialities, potentialities that project to and beyond man himself; that is, on nature and its genesis, and in particular on its own initial transformations (metamorphoses) (even before the emergence of species) of the planet.
(Cit in Dream of a Work, Book II, p.22, April 1991)

"Embrião", Outubro 1989
óleo s/ tela

"Nocturno", Fevereiro 1990
pastel s/ papel lustro
"Fertilidade", Fev. 1990
pastel s/ papel revista
"S/ título", Fev. 1990
colagem e pastel s/ papel revista
"A estrada do silêncio", Fev. 1990
lápis côr s/ papel
"S/ título", Ag. 1990
caneta s/ papel
"S/ título", 1990
pastel s/ papel
"Figura em azul", Setembro 88
óleo s/ cartão
"S/ título", Out. 89
pastel s/ papel
"Quadro das Formas Vermelhas", Abril 90
óleo s/ tela

Sem comentários:

Enviar um comentário